Clipping – G1 – Cartórios de SP registram número maior de mortes por coronavírus

Dificuldade no processamento das confirmações atrapalha registro da doença.

A demora no resultado dos testes de confirmação do novo coronavírus dificulta o cálculo da real dimensão da doença no estado de São Paulo. Nesta quarta-feira (8), a Secretaria Estadual da Saúde contabilizou 428 mortes e 6.708 casos confirmados da doença. No entanto, até terça-feira (7), 17 mil testes ainda estavam represados na fila aguardando resultado.

O tempo de processamento dos testes também faz com que exista uma diferença entre os números que a secretaria divulga e o que os cartórios do estado registram. Além das mortes confirmadas, os cartórios também consideram os casos suspeitos.

Do dia 16 de março até 14h de 6 de abril, a Secretaria contabilizava 304 mortes confirmadas por Covid-19 no estado. Já o número de óbitos registrados nos cartórios, no mesmo período, era de 422, incluindo as mortes suspeitas. A diferença é de 118 casos.

Quando uma pessoa morre e é sepultada, as funerárias têm dois dias para mandar a informação oficial aos cartórios. E os cartórios tem até cinco dias para fazer o registro do óbito. Depois disso, se o teste para Covid-19 der negativo só as famílias podem pedir que as certidões sejam corrigidas.

A mãe de Juliana Farabolini morreu no dia 21 de março. Sem nenhuma doença pré-existente, Ana Cristina Araripe, de 55 anos, passou por um posto de saúde e foi internada com crise respiratória. Na certidão de óbito, os médicos concluíram que ela morreu por insuficiência respiratória aguda, síndrome respiratória e infecção por coronavírus.

“Ela chegou com falta de ar, fez a inalação e foi medicada e nisso já chamaram a ambulância e fizeram também o teste. No hospital ela teve uma piora. Já encaminharam ela pra UTI e lá ela já foi entubada. Ela veio a falecer foi muito rápido”, conta Juliana.

O resultado do teste saiu dias depois do enterro e surpreendeu a família. A causa da morte não era Covid-19.

“Eu não pude trocar minha mãe, eu não pude zelar a minha mãe. Optei por cremá-la pelo fato de que se eu fizesse a cerimônia ia ser 10 minutos e olhe lá. E a família não ia poder estar junto devido a toda situação”, afirma Juliana.

“É sempre importante a informação correta. Até para fins estatísticos do ponto de vista do Ministério da Saúde. Essas informações que recebemos de suspeita nós encaminhamos para órgãos públicos e portanto isso vai tirar da margem cinzenta de dados algo que não ocorreu”, diz Karine Boselli, presidente da Associação dos Registradores Civis de Pessoas Naturais de SP .

Sobre a demora no processamento dos testes, o Instituto Butantan afirmou que já iniciou as atividades para processar 700 testes por dia. Disse ainda que a rede de laboratórios para diagnóstico do novo coronavírus já está em atividade em sua primeira fase e chegará a fazer até 8 mil exames por dia, com entrega do resultado em até 48 horas. Só não há ainda prazo para que isso aconteça. A previsão de chegada dos insumos comprados da Coreia do Sul é na semana que vem.

Fonte: G1